sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Pequenas Eternidades



Não sei se gosto da maneira como as coisas estão organizadas. Não sei se ser poeta é questionar ou responder, se é demonstrar-se descontente ou agraciado pela vida. Não sei se o dom do poeta é sentir ou expressar-se com palavras. Não sei se é necessário enxergar além do que nós é permitido. Não sei se tenho a quantidade suficiente de percepção para continuar neste rumo. Só sei que, mesmo sendo meio perdida nas palavras, quando escrevo os minutos parecem pequenas eternidades, o mundo se abre para mim como uma flor se abre para a primavera. E as palavras se derramam em minha mente, tão belas, que não tenho outra escolha a não ser escrever.

Um comentário: